O baralho de predizer adultérios,
de Frederico Monteiro



Elementos místicos em conto de García Márquez
intrigam romancista contemporâneo

O baralho de predizer adultérios mistura ficção e realidade
e homenageia a capacidade humana de adaptação

“Não há tempo melhor que o futuro”. A frase de abertura de O baralho de predizer adultérios (Autografia), segundo romance de Frederico Monteiro, chega ao mercado coincidentemente quando a humanidade aguarda o fim de uma pandemia que interrompeu o tempo presente das pessoas. A espera no futuro, a chance de recomeçar, parece aguardada como nunca. No livro, ela se passa na Araraquara real, município no interior do estado de São Paulo, onde o autor mora.

— Os acontecimentos foram todos criados, inventados, muito embora tragam enorme carga de realidade. A existência de um baralho com o poder de prever adultérios é um dos pontos místicos do romance. Há outros — provoca Frederico, que começou a escrever este livro em 2017.

O baralho de predizer adultérios é uma homenagem ao futuro e à capacidade humana de adaptação. O adolescente Silvano, cujo nome representa também o conhecimento esotérico, recebe um misterioso baralho que tem como função única antecipar adultérios. Ao mesmo tempo em que faz o baralho funcionar, o protagonista amadurece. Amores e separações, riqueza e pobreza, fugas e desencontros, além do constante diálogo com a sua própria consciência, tomam conta da rotina do herói.

Numa das passagens do texto, a conversa com a consciência se dá sutilmente:

— Por que me tratam assim?

— Ainda usa aquele baralho?

— Uso.

— É isso. As pessoas têm medo do futuro.

A inspiração para O baralho de predizer adultérios veio da obra de Gabriel García Márquez, embora Monteiro não se lembrasse de exatamente qual livro, razão que o levou a reler o escritor colombiano enquanto escrevia. A imagem do baralho de predizer adultérios persistia no imaginário de Frederico Monteiro, “sempre vinculada a um mundo mítico e impossível”.

Na coletânea A incrível e triste história da Cândida Erêndira e sua avó desalmada, o penúltimo conto faz referência ao tal baralho: Blacaman, o bom vendedor de milagres. No conto, o baralho é referido apenas como moeda de troca. O tal Blacaman compra uma criança — que será seu fiel ajudante — e entrega ao seu pai, além de um real e dois quartillos, também um baralho de predizer adultérios.

Frederico Teubner de Almeida e Monteiro é paulista de Araraquara. Escreve desde a adolescência, em especial, contos e romances. Em 2016, publicou, na versão digital, a coletânea de contos Sabrina sabe voar. Em 2019, o romance Babel e, agora, O baralho de predizer adultérios, ambos pela Autografia. Trabalha como defensor público do Estado há 12 anos e prepara seu terceiro romance e uma coletânea de contos.

O baralho de predizer adultérios, de Frederico Monteiro
Editora Autografia
www.autografia.com.br
Páginas: 288
Formato: 16 cm x 23 cm
Preço: R$ 47,90

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao Topo